Notícia

Lar Nosso Ninho suplica por ajuda

Vereador Rafael de Angeli visitou o local em busca de soluções. Com mais de 60 anos de história, a instituição passa por problemas estruturais e falta de verba para se manter.


Organizações sem fins lucrativos que atendem pessoas necessitadas também foram afetadas negativamente pela pandemia, já que muitas delas sobrevivem de doações e eventos beneficentes, que no momento estão inviabilizados pela Covid-19.


Uma das instituições mais antigas e renomadas de Araraquara, o Lar Nosso Ninho está em situação crítica devido à falta de recursos para se manter e reformar sua estrutura. Com o objetivo de traçar estratégias de possíveis soluções e conhecer a atual condição, o vereador Rafael de Angeli (PSDB) visitou o local na quinta-feira (20), acompanhado da coordenadora Lídia Maria Marques, do presidente César Henrique Berto e dos engenheiros parceiros, José Afonso Ravena e Salvador Morbach Junior.


Estrutura necessita de reforma urgente


O prédio, com mais de 50 anos, sofre grandes problemas devido à fundação antiga e à perda do lençol freático na região, segundo informou o engenheiro Ravena. Existem problemas visíveis na piscina de fisioterapia, que atualmente encontra-se vazia e desativada por segurança. Rachaduras e outros danos também estão visíveis em outras salas de atendimento e na lavanderia, que precisa de urgência na reforma. A lavanderia tem máquinas grandes e pesadas, demandam alto custo de aluguel de guindaste para remoção.



Falta verba


Segundo a coordenadora Lídia, os valores provenientes do Governo Federal e do Estado não são suficientes. "Atualmente atendemos ao todo 19 pessoas com deficiência e que não têm família, sendo 11 aqui neste local e 8 na residência inclusiva. Temos 27 funcionários registrados e o custo com folha de pagamento é bem alto". E complementa dizendo que procuram diversas soluções para o problema. "Protocolamos um projeto de reforma no Ministério do Trabalho, que direciona multas trabalhistas para organizações como a nossa, porém, por causa da pandemia esses valores têm sido direcionados a hospitais", explica.


"A verba que recebemos dos Governos Federal e Estadual gira em torno de 30 mil reais, porém não cobrem nem o valor do serviço dos colaboradores remunerados, que é de 42 mil", relata Berto. "Os custos mensais são mais de 65 mil. Infelizmente com a pandemia não podemos contar com a verba de eventos e aluguel do salão de festas, que supriam essa lacuna nos gastos", finaliza o presidente da instituição.


Burocracia dificulta sobrevivência


Ainda de acordo com a coordenadora, o processo de comprovação dos serviços dificulta a regularização anual das ONGs para a liberação da verba pública. "Todos os anos essa regularização demora em torno de três meses por parte do poder público, ou seja, ficamos até meados de abril sem nenhuma verba governamental, o que muitas vezes gera problemas muito sérios para nós, como atraso no pagamento de funcionários, por exemplo", relata Lídia.



Soluções


Dentro das possibilidade de atuação de seu mandato, o parlamentar aponta possíveis soluções.


"A situação do Lar Nosso Ninho é realmente ruim. Tentaremos interceder com emendas parlamentares e promover reuniões com o Executivo Municipal para traçar ações que possam ser viabilizadas na arrecadação de fundos para a instituição. Quando se fala em solidariedade em Araraquara, é impossível não lembrar do trabalho excepcional que o Nosso Ninho realiza há tanto tempo", diz Angeli.

Ainda durante a visita, foram solicitadas, ao vereador, melhorias na via em frente a instituição, que resultaram nas indicações 2365/2021, 2366/2021 e 2371/2021 ao Governo Municipal, para estudo e análise de adequações no trânsito, por causa de acidentes constantes no local.


Doações


Qualquer pessoa pode ajudar o Lar Nosso Ninho através de doações de alimentos, peças para o bazar, transferência bancária ou cooperando nas ações de drive-thru. Confira todas as informações na página oficial da instituição no Facebook: facebook.com/larnossoninho ou ligue para (16) 3324-4546.



27/05/2021

1 comentário